Qual é a principal prioridade econômica de Joe Biden nos Estados Unidos?

Qual é a principal prioridade econômica de Joe Biden nos Estados Unidos?
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden
Foto: Joshua Roberts – 25 de novembro de 2020 / Reuters

Quando o presidente eleito Joe Biden tomar posse em janeiro, ele enfrentará desafios econômicos provavelmente maiores do que os de qualquer presidente desde Franklin Delano Roosevelt.

Desde janeiro, um em cada sete americanos perdeu um emprego de tempo integral. A perda de empregos permanentes acabou com quase sete anos de ganhos, e a natureza do desemprego hoje expõe alguns de nossos cidadãos mais vulneráveis ​​às piores dificuldades econômicas. Tudo isso tem como pano de fundo a rápida escalada da pandemia Covid-19.

No final de 2020, estaremos dizendo adeus ao pior ano para nossa economia desde a Grande Depressão.

No entanto, nem tudo são más notícias.

Não há bolhas financeiras óbvias e, dada a expansão do mercado de ações, consumidores e investidores parecem confiantes no longo prazo. Enquanto isso, a economia das famílias americanas é muito melhor do que há um ano. Além disso, o fim da pandemia pode levar a um crescimento econômico robusto, dependente da demanda reprimida. Mais: as notícias sobre o desenvolvimento de vacinas deram mais certeza sobre a data de término da pandemia.

Leia também:

Biden nomeia a primeira comunidade LGBT responsável pelo Governo Supremo dos Estados Unidos
Depois que Brasil reconhece Biden, Itamaraty avalia reconstrução de pontes com os Estados Unidos
Biden disse em um discurso de abertura: “Chegou a hora de virar a página e curar a nação.”

Mesmo assim, o dano econômico de curto prazo da epidemia provavelmente continuará por mais alguns anos. Pode durar muito tempo, especialmente para crianças e jovens adultos, por décadas. Por esse motivo, o alívio da Covid-19 deve ser a primeira prioridade da política econômica do governo Biden.

A próxima rodada de alívio da pandemia deve fazer duas coisas. Em primeiro lugar, a extensão do seguro-desemprego complementar, que desde março atende mais de 10 milhões de famílias. Em segundo lugar, o projeto de lei deve apoiar os governos estaduais e locais que enfrentam uma queda catastrófica de receita que deve continuar até 2022.

A não substituição dos prejuízos fiscais estaduais e locais terá efeitos adversos, aprofundando a recessão e possivelmente acrescentando anos para uma recuperação total. A magnitude das perdas fiscais pode significar dispensas de professores, bombeiros e policiais em muitas partes do país.

READ  Um homem com sintomas de Covid-19 morre durante o voo

Na verdade, desde janeiro, quase um milhão de funcionários locais perderam seus empregos. Isso também significa uma queda significativa nos serviços públicos no próximo ano. Educação e saúde, que representam mais da metade dos orçamentos estaduais e locais, estarão entre as mais afetadas. Em meados de 2021, piscinas e parques podem permanecer fechados no meio do verão nos Estados Unidos, enquanto os governos municipais e estaduais lutam para equilibrar os orçamentos.

O Congresso aprovou uma cópia do pacote de ajuda à pandemia a um custo estimado de US $ 2,2 trilhões no primeiro semestre [depois que o artigo foi publicado, o Congresso dos EUA aprovou um novo pacote, de US$ 900 bilhões]. O número impressionante é claramente um trampolim para a correspondência orçamentária, mas com a possibilidade de uma vacina potencialmente prejudicial estar disponível no próximo ano, um acordo foi firmado com um número mais modesto entre a Câmara e o Senado.

A resistência do Partido Republicano a essa escala de alívio foi descrita como um resgate de Estados mal administrados, mas essa retórica está simplesmente errada. As estimativas de déficit fiscal preparadas pelo Centro de Pesquisa Econômica e Empresarial da Ball State University mostram que a Califórnia ainda será capaz de pagar suas dívidas muito depois de Indiana, Missouri e Arkansas ficarem sem dinheiro nos dias mais difíceis. Como a Moody’s Analytics concluiu em um relatório recente, a crise econômica nos estados é causada pelos efeitos da Covid-19, não pela má gestão financeira.

A Lei CARES foi promulgada em março para ajudar os trabalhadores, entre outras coisas, e fornece um plano de proteção da folha de pagamento (PPP), projetado para evitar demissões corporativas, bem como estender o seguro-desemprego vinculado à pandemia. Mas a Lei CARES expira em dezembro, e mesmo o governo federal que se sai modestamente melhor deve trabalhar para um acordo rápido.

READ  A Vodafone está oferecendo chamadas gratuitas neste Natal

Enfrentamos a pandemia com o governo que temos, não com o governo que queremos formar. Portanto, o novo projeto de lei de alívio deve fornecer um bom exemplo de trabalho do compromisso do próximo governo. Embora tal projeto pareça cada vez mais improvável no curto prazo, é extremamente importante porque existem outras prioridades prementes que requerem cooperação bipartidária.

A maioria das principais cidades dos Estados Unidos enfrenta problemas de congestionamento significativos e poucas estradas têm a tecnologia para acomodar veículos inteligentes. Enquanto isso, muitos governos locais lutam para manter ou melhorar os sistemas de água e saneamento, em defesa da saúde humana e do meio ambiente. Finalmente, há também atualizações necessárias para as medidas de controle de inundações e incêndios, que estão se tornando cada vez mais necessárias à luz das mudanças climáticas.

O plano de infraestrutura de Biden requer US $ 2 trilhões em gastos. Isso é mais do que os planos de realocação anteriores haviam previsto, mas dentro do escopo dos gastos com infraestrutura federal em um plano de gastos típico de cinco a sete anos. Muitas vezes surgem disputas no Congresso quando os membros debatem o escopo, mas não o tamanho, dos gastos. Isso torna a infraestrutura madura para esforços iniciais e importantes para melhorar o compromisso.

Há também uma sobreposição significativa entre partes do New Deal Green e os gastos com infraestrutura que aumentarão a produtividade dos negócios. Por exemplo, a câmara de comércio e os defensores do meio ambiente podem exigir investimentos em sistemas de transporte inteligentes, que são uma prioridade para os conservadores progressistas e financeiros, como grandes vitórias políticas.

Muitos investimentos também podem reduzir custos para governos locais por meio de edifícios com maior eficiência energética e menores custos de transporte. Mais uma vez, isso deve atrair um amplo público político, tornando mais fácil para o Congresso fazer concessões e abrindo caminho para cooperação futura.

Depois do Covid-19 e da infraestrutura, o trabalho duro começa. Após a pandemia, os Estados Unidos enfrentarão uma dívida recorde e uma crescente desigualdade econômica entre pessoas e lugares. Ainda temos um rápido aumento nos gastos com saúde, uma guerra comercial reversa que enfraqueceu a indústria dos EUA e uma reforma massiva da imigração para combatê-la. Precisamos de caminhos de longo prazo para um compromisso construtivo.

READ  A Netflix pode ter um cronômetro para pausar o vídeo automaticamente

Nas últimas décadas, os Estados Unidos se afastaram do federalismo, com os governos estaduais e locais desempenhando um papel mais ativo na determinação do melhor curso de ação em muitas de nossas questões mais contenciosas. Tal movimento enfraquece nossa capacidade de assumir compromissos.

O aumento do federalismo permitirá que os governos estaduais e locais experimentem gastos e mudanças regulatórias de forma mais agressiva, amenizando muitos dos impasses políticos mais difíceis, enquanto permite que o laboratório estadual experimente as políticas. Somos uma nação muito diversificada, com soluções fáceis de tamanho único.

Existem bons exemplos dos benefícios do federalismo. Por exemplo, a sustentabilidade do Affordable Care (ou Obamacare) Act depende muito da flexibilidade do estado para permitir a co-participação e incentivos para comportamentos saudáveis ​​que tornam seus custos mais aceitáveis ​​para os contribuintes. O governador de Indiana, Mike Pence, adotou a expansão do Medicaid (para as equipes mais vulneráveis) porque se ajusta facilmente ao plano de saúde atual de Indiana.

O presidente eleito Biden enfrenta uma economia historicamente fraca e uma pandemia cada vez mais robusta. Ele também ocupa o cargo em um momento de profunda desconfiança política. Enquanto luta contra as consequências econômicas do coronavírus, ele tem uma rara oportunidade de reviver os mecanismos de liquidação que serviram tão bem aos Estados Unidos por 244 anos.

(Texto traduzido, Clique aqui Para ler o texto original em inglês).

Nota do editor: Assista à conversa completa com SE Cupp, Michael Hicks e Rana Foroohar em “What Comes Next?” Aqui. Michael J. Hicks é professor e diretor do Centro de Pesquisa Econômica e Empresarial da Ball State University. Ele estuda economia regional e finanças públicas e é oficial de infantaria do exército aposentado. As opiniões expressas neste texto são dele.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

GIRONATV.COM É PARTICIPANTE DO PROGRAMA AMAZON SERVICES LLC ASSOCIATES, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE AFILIADO PROJETADO PARA FORNECER MEIOS PARA OS SITES GANHAREM TAXAS DE PUBLICIDADE EM E EM CONEXÃO COM AMAZON.COM. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.COM, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZÔNIA, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS PARA COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO, AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DE AMAZON.COM E DE SEUS VENDEDORES.
Giro na TV