Por que os especialistas argumentam que os prisioneiros estão em grupos prioritários na vacinação contra o Kovid-19?

Por que os especialistas argumentam que os prisioneiros estão em grupos prioritários na vacinação contra o Kovid-19?
  • Alessandra coréia
  • De Washington (EUA) para a BBC News Brasil

Legenda da foto,

Para os profissionais, é importante incluir os presidiários entre aqueles que adquiriram imunidade

Enquanto autoridades governamentais em muitos países decidem quem será a primeira pessoa a receber uma dose ainda menor da vacina contra Kovid-19, o debate sobre a inclusão do grupo prisional em grupos prioritários está crescendo.

Especialistas em saúde pública destacam que o risco de exposição nas prisões também atinge não só presidiários e policiais, mas também a população das cidades onde estão inseridos, inclusive com a inclusão de presidiários entre aqueles que adquiriram imunidade.

“As prisões são incubadoras de doenças, incluindo Kovid-19”, disse Arthur Kaplan, especialista em bioética e professor de medicina na Escola de Medicina da Universidade de Nova York, à BBC News Brasil.

“Você não quer ter um lugar onde a doença possa se espalhar na sua área. Guardas, faxineiros, bufês, visitantes, muitas pessoas entram e saem das prisões. É preciso controlar (espalhar a doença nas prisões).”

William Lopez, especialista em saúde pública da Universidade de Michigan, disse que é comum pensar nas prisões como fortes onde ninguém pode entrar ou sair, mas na realidade essas instalações têm um grande movimento de pessoas.

“As pessoas vão e voltam das prisões o dia todo, como prisioneiros, guardas ou outros policiais libertados. Essas pessoas estão entrando em uma área de alta densidade e alto risco e voltando para suas comunidades”, disse Lopez à BBC News Brasil.

Resistência

Mas a ideia de vacinar prisioneiros na frente de outras partes da população muitas vezes encontra resistência, especialmente porque nem todos receberam uma dose adequada.

Nos Estados Unidos, apenas seis dos 50 estados anunciaram que incluirão a população carcerária em seus planos de vacinação de primeiro estágio. Nos outros 19 estados, quando altas doses estão disponíveis, espera-se que os presos ganhem imunidade na segunda fase.

Distribuir a dose inicial para agentes e oficiais em instalações mantidas pelo Federal Bureau of Prisons, a agência do Departamento de Justiça responsável pelas prisões federais dos EUA. Os prisioneiros foram adicionados ao próximo estágio, ainda sem aviso prévio.

Legenda da foto,

O Brasil ainda não lançou uma campanha de vacinação contra o Kovid-19, como fizeram os Estados Unidos e o Reino Unido.

Também será dada prioridade aos trabalhadores da saúde, educação e transporte, idosos, funcionários do sistema prisional, integrantes da Força de Segurança e Resgate, pessoas com comorbidades e pessoas com deficiências graves, indígenas, quilombolas, ribeirinhos e em situação de rua. Esses grupos serão vacinados em etapas, mas ainda não há um cronograma definitivo.

Espalhe nas prisões

As prisões americanas têm sido o centro do maior surto registrado em todo o país desde o surto, com aproximadamente 250.000 casos e 1.657 mortes na população carcerária e mais de 62.000 casos confirmados e 108 mortes entre funcionários.

Os Estados Unidos têm a maior população carcerária do mundo, com 2,3 milhões de detentos em prisões federais e estaduais e outros centros de detenção. Destes, cerca de 500.000 estão na prisão sem cometer nenhum crime.

No Brasil, são cerca de 760 mil internos, segundo o Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), com 39.905 casos e 126 mortes por Covid-19. De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ainda existem 12,5 mil casos no sistema prisional e 90 mortes de servidores. Os números podem ser maiores devido a fatores como taxa de teste.

Em um ambiente carcerário lotado, os presidiários compartilham dormitórios, restaurantes e banheiros, o que torna impossível manter a distância social recomendada para prevenir a infecção pelo coronavírus.

Legenda da foto,

Muitas prisões sofrem com a escassez de materiais básicos, como máscaras, luvas e sabonetes

Além disso, muitas vezes há escassez de equipamentos de proteção e itens de higiene, como testes e máscaras. Nos primeiros meses da epidemia, algumas prisões americanas relataram falta de sabão para lavar as mãos.

Muitos presidiários nos Estados Unidos têm comorbidades, como diabetes, asma ou doenças cardíacas, e muitos idosos, o que aumenta o risco de complicações e morte por Kovid-19. A falta de acesso a cuidados médicos adequados também é comum, o que pode agravar a condição.

De acordo com um estudo da National Commission on Covid-19, afiliada ao Council on Criminal Justice Research and Criminal Justice, os presidiários dos Estados Unidos têm quatro vezes mais probabilidade de estar infectados com o coronavírus do que a população em geral. A taxa de mortalidade é duas vezes maior.

Vacinação nos EUA

A vacina será aplicada em duas doses e, até o final deste ano, estima-se que cerca de 20 milhões de pessoas serão imunizadas, com uma população de menos de 330 milhões e já mais de 17 milhões de infectados e sobrevivendo a mais de 300 mil no país.

Profissionais de saúde e idosos em lares de idosos recebem as doses primeiro. Depois disso, cada estado decide como distribuir para o resto da população, incluindo presos. Muitas organizações médicas recomendam que os estados incluam presidiários em grupos prioritários.

A American Medical Association (AMA), a maior associação médica dos Estados Unidos, divulgou sua política oficial sobre a pandemia em novembro, destacando o alto risco para presidiários, imigrantes em centros de detenção e agentes que ali trabalham.

“Esses indivíduos devem ter prioridade na obtenção de vacinas seguras e eficazes contra o Kovid-19 nos estágios iniciais de distribuição”, disse a associação. “Durante a epidemia de Kovid-19, vimos o vírus se espalhar rapidamente em populações de alta densidade, especialmente em unidades correcionais”.

encontro

O relatório da Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina dos Estados Unidos, preparado por um comitê de mais de 20 especialistas e divulgado em outubro, faz uma recomendação semelhante.

De acordo com o documento, o primeiro passo é vacinar presidiários com mais de 65 anos, incluindo os que estão atrás de profissionais de saúde e residentes de asilos, bem como aqueles com comorbidades.

O restante da população carcerária e do pessoal penitenciário devem ser incluídos na segunda fase, junto com os idosos e pessoas que trabalham em ambientes de risco, como escolas, transporte público e cadeia de abastecimento alimentar. Os autores dizem que as recomendações são “guiadas por evidências para maximizar os benefícios para a sociedade”.

Esta semana, 26 membros do Congresso dos EUA enviaram uma carta ao CDC (Centros para Controle e Prevenção de Doenças, uma agência de pesquisa de saúde pública afiliada ao Departamento de Saúde) e ao Federal Bureau of Prisons. .

O coronavírus está “se espalhando quatro vezes mais rápido nas prisões do que na população em geral”, enfatizou o MP na carta.

Ideia impopular

Mas, apesar dos argumentos de uma perspectiva moral e de saúde pública, a ideia de vacinar presidiários na frente de pessoas que não cometeram um crime geralmente não é politicamente popular.

Legenda da foto,

O coronavírus já matou mais de 1,6 milhão de pessoas desde o início do surto

Em outubro, o Departamento de Saúde do Colorado divulgou um plano preliminar que tornaria as pessoas que vivem em áreas congestionadas (incluindo abrigos para sem-teto, dormitórios universitários e prisões) as primeiras a serem imunizadas. Trabalhadores de saúde e residentes de lares de idosos.

Enquanto os presos estavam no Grupo de Prioridade 2A, o Grupo 2B incluía indivíduos considerados de maior risco, como aqueles com comorbidade na população em geral.

Mas o plano imediatamente provocou críticas, principalmente de políticos tradicionais e organizações de mídia, que dizem que “assassinos e estupradores” recebem a vacina antes dos “avós”. No início deste mês, o governador democrata Jared Police rejeitou sua própria recomendação estadual.

“De jeito nenhum (a vacina) vai para os presos na frente de pessoas que não cometeram nenhum crime”, disse o governador, deixando claro que os presos com mais de 65 anos devem ser vacinados na mesma época que o resto da população dessa idade.

Estigma

Kaplan, da Universidade de Nova York, disse que a população carcerária costuma ser estigmatizada e muitos não acham que os presos sejam elegíveis para receber vacinas.

“Não estou dizendo que amo todos os presos. Mas ao apontar que há uma grande variedade de pessoas na prisão. Na maioria dos países, você poderia argumentar que elas não deveriam estar na prisão”, disse ele.

Kaplan observou que muitos ainda estão na prisão sem cometer nenhum crime. Outros estão na prisão por crimes pequenos e não violentos. Alguns países têm presos políticos.

“E há outras pessoas que foram presas por crimes graves. Mas quando perguntadas se os presos deveriam ser vacinados, as pessoas não deveriam pensar que são todos assassinos em série. Isso não é verdade”, disse ele.

“Em segundo lugar, os presos não receberam a pena de morte. Eles têm direito aos cuidados de saúde”, disse Kaplan.

Assim que a vacina estiver disponível, permanece a dúvida sobre a porcentagem de presos que estão prontos para adquirir imunidade. Da população americana em geral, a pesquisa Gallup deste mês indica que 63% esperam ser vacinados. Especialistas apontam a desconfiança de muitos presidiários no governo.

“É muito difícil para os prisioneiros acreditar que um lugar fundamentalmente ruim para sua saúde é cuidar de sua saúde”, disse Lopez.

“Alguns (a vacina) podem recusar, mas acho que muitas pessoas morrerão depois de ver tantas pessoas que conhecem morrer na prisão (como resultado do Kovid-19).”

Você viu nossos novos vídeos Youtube? Inscreva-se em nosso canal!

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

GIRONATV.COM É PARTICIPANTE DO PROGRAMA AMAZON SERVICES LLC ASSOCIATES, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE AFILIADO PROJETADO PARA FORNECER MEIOS PARA OS SITES GANHAREM TAXAS DE PUBLICIDADE EM E EM CONEXÃO COM AMAZON.COM. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.COM, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZÔNIA, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS PARA COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO, AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DE AMAZON.COM E DE SEUS VENDEDORES.
Giro na TV