NASA Lights: imagens astronômicas da semana (19/12 a 25/12/2020)

NASA Lights: imagens astronômicas da semana (19/12 a 25/12/2020)
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre a NASA

Mostre mais

Ufa! Este ano turbulento está chegando ao fim. Houve muitos eventos astronômicos – de comuns a raros – compartilhados por meio de imagens impressionantes, e esperamos que o próximo ano seja ainda mais emocionante para a astronomia. Ainda em clima de festa, apresentamos nossa última coleção de APOD (foto de astronomia da NASA para arquivar hoje) para este ano, e nos despedimos do florescimento de 2020: tirei ótimas fotos do grande noivado nos últimos dias.

Infelizmente, o céu nublado dificultava perceber a grande ocultação de muitos de nós brasileiros. Mas ainda podemos contar com as fotos dos mais afortunados e bem equipados para registrar o momento. Algumas dessas imagens foram escolhidas a dedo pela NASA para criar o APOD, e você as encontrará abaixo.

No post de hoje, o céu noturno da Terra domina, mas ainda há ótimas fotos do universo distante. Encerramos a seqüência de fotos com uma noite de aniversário muito simbólica: um céu com algumas das estrelas mais famosas e populares do planeta. Desejamos a todos um final maravilhoso para as festas de Natal – e 2021 pode trazer muitas curiosidades e eventos cósmicos para assistir.

Sábado (19/12) – estrela do natal

(Foto: Reprodução / Alireza Fafa)

O ano de 2020 termina com um dos eventos astronômicos mais incríveis, especialmente para aqueles com telescópios. O alinhamento entre Júpiter e Saturno no céu noturno oferece a oportunidade de olhar para os dois planetas ao mesmo tempo e, com o equipamento certo, o cenário é ainda mais impressionante.

Este evento ocorre uma vez a cada 20 anos. Mas desta vez, fomos capazes de pensar em uma maior aproximação entre os dois planetas – a última vez que eles estiveram tão perto do céu foi há 400 anos, em um fenômeno que muitos chamam de “estrela do Natal”. Como esperado, muitas fotos maravilhosas como esta tirada nas montanhas de Alborz, no Irã, se espalharam online após o pôr do sol em 17 de dezembro.

De 16 a 25 de dezembro, os planetas podiam ser vistos separados por menos do que o diâmetro da lua cheia, mas a aproximação máxima ocorreu até o dia 21. A conjunção era visível em qualquer lugar do globo, mas os habitantes do Hemisfério Sul tiveram a honra de homenageá-la por um período mais longo. . Você já viu gigantes gasosos se encontrarem?

READ  O estudo do Deutsche Bank argumenta que os funcionários remotos devem pagar mais impostos - emprego

Domingo (20/12) – o acoplamento jupiteriano no vulcão

(Foto: Reprodução / Francisco Sogel)

Como dissemos, existem muitas fotos incríveis do Great Connect. Isso foi filmado na semana passada e mostra os dois mundos à direita de um vulcão em erupção. Os dois planetas coincidirão novamente 20 anos a partir de agora (ou um pouco mais), mas tal abordagem não acontecerá novamente até 15 de março de 2080. Então, em algum momento do ano 2400.

Se você ainda não foi capaz de identificar os planetas na imagem, eles estão diretamente acima de uma árvore, cercados pela luz zodiacal – um brilho difuso formado pela luz do sol refletida por grãos de poeira orbitando entre os planetas no sistema solar. Esta luz está sempre presente à noite e cobre completamente o céu, sendo responsável por 60% da luz natural em uma noite sem lua, mas nem sempre podemos vê-la como mostrado nesta imagem.

Segunda-feira (21/12) – dança solar

(Foto: Reprodução / Zaid Muhammad Al-Abadi)

O sol nem sempre nasce na mesma direção do céu. Ao longo dos meses, onde nossa estrela aparece no horizonte muda sua posição, mas eventualmente retorna ao mesmo ponto. A imagem acima mostra de forma educativa como isso acontece ao longo do ano: As imagens capturam o nascer do sol todos os meses durante 2019, perto de Amã, na Jordânia. Observe como o sol aparece na primeira imagem diretamente atrás de uma torre e se move para a esquerda, até retornar ao mesmo sinal um ano depois.

Tecnicamente, o sol sempre nasce para o leste, mas no solstício de dezembro é mais para o sudeste. Durante o solstício de junho, o sol aparece nascendo na direção nordeste. O solstício de dezembro foi no dia 21, mesmo dia da grande festa. Em muitos países, o solstício de dezembro é a mudança oficial da estação.

Terça-feira (22/12) – Triveda

(Imagem: Reprodução / NASA / ESA // Hubble / HLA / Advait Mehla)

Se deixarmos o céu da Terra um pouco de lado (por enquanto), viajaremos mais longe, até a Nebulosa Trífida. É uma região composta de gás estelar e poeira, onde novas estrelas começaram a se formar recentemente. A maior parte do brilho da nebulosa é causada pela luz de uma única estrela massiva no centro da formação.

READ  Claudio Ramos diz que tem sonhos emocionantes com a TVI

Trífida é uma das menores nebulosas de emissão que os astrônomos já viram – tem apenas cerca de 300.000 anos, o que é um curto período em uma escala cósmica. Encontra-se a cerca de 9.000 anos-luz de distância, na direção da constelação de Sagitário. No entanto, esta imagem consiste apenas em uma parte da nebulosa. Na verdade, estamos apenas olhando para o final de uma enorme coluna de gás e poeira que faz parte do Trifida.

Há uma haste menor no topo da grande haste central apontando para cima, semelhante a um dedo, e um sopro incomum para a esquerda. Este avião se estende por cerca de um ano-luz e não seria visível sem iluminação externa. Ainda não é possível ver a estrela que forma este plano, mas à medida que gás e poeira evaporam dos pilares, é possível que a origem deste estranho fenômeno seja descoberta. Isso só deve acontecer nos próximos vinte mil anos.

Quarta (23/12) – Luas de Júpiter

(Foto: clone / Pêssego Damião)

Mais uma vez no magnífico céu noturno terrestre, a Grande Conjunção continua a deliciar os espectadores. Você se lembra que o evento seria surpreendente para quem tem telescópios que permitissem ver os dois mundos ao mesmo tempo? Sim, este é o resultado. Com uma ferramenta bastante descomplicada, é possível ver as linhas coloridas de dois planetas, os anéis de Saturno, e até mesmo as luas principais desses gigantes gasosos. Vemos uma imagem muito rara, porque essa abordagem não acontecia há pelo menos 400 anos.

Aqui temos as quatro maiores luas de Júpiter, ou seja, Calisto, Ganimedes, Io e Europa (da esquerda para a direita), e a maior lua de Saturno, Titã (veja também a imagem com os nomes de cada uma das luas). A foto ainda captura a Grande Mancha Vermelha de Júpiter! Os planetas já começaram a se separar, mas ainda podem ser vistos de perto, logo após o sol. Porém, quanto mais perto do final do ano, mais eles desapareceriam no horizonte.

READ  Revista Science seleciona as principais descobertas científicas do ano

Quinta-feira (24/12) – NGC 1055

(Foto: Reprodução / Martin Pugh)

Saiba mais sobre a galáxia espiral NGC 1055, um membro proeminente do grupo de pequenas galáxias localizadas a 60 milhões de anos-luz de distância, em direção à constelação de Cetus. Ele aparece de lado, mas ainda é uma visão prolífica, com algumas das cores de suas espirais aparecendo devido a uma inclinação sutil. A galáxia se estende por mais de 100.000 anos-luz, tornando-a um pouco maior do que a Via Láctea.

Nesta imagem podemos ver outros detalhes muito impressionantes, como uma série de galáxias muito mais distantes, ao fundo. Também está presente o halo que se estende acima e abaixo da protuberância central de NGC 1055. Este halo (brilho amarelo se espalhando ao redor da parte central) está entrelaçado com estruturas estreitas e fracas e pode ser o resultado de detritos de uma galáxia vizinha. NGC 1055 provavelmente atraiu uma galáxia satélite, muito menor, cerca de 10 bilhões de anos atrás, e trouxe suas estrelas.

Sexta-feira (25/12) – o céu do Natal

(Imagem: Reprodução / Bloco de Adam)

Véspera de Natal. O céu noturno oferece outra visão em diferentes áreas do planeta. Órion é uma das constelações mais fáceis de reconhecer (basta olhar para as estrelas famosas de Três Marias) e geralmente aparece nas noites de inverno no Hemisfério Norte. Essas mesmas estrelas da constelação estão nesta imagem. A Grande Nebulosa de Órion também é visível abaixo das três estrelas que compõem o Cinturão de Caça.

Outros destaques da imagem também são conhecidos por seu brilho intenso, como Betelgeuse, que fica no ombro de Orion, e Aldebaran, a estrela alfa da constelação de Touro. Embora a longa exposição a fotografias tenha trazido inúmeras estrelas que normalmente não veríamos, esse cenário celestial é comum a todos nós – assim como o Natal, a festa que, independentemente da religião, faz parte das culturas do planeta.

Fonte: APOD

Gostou deste artigo?

Assine o seu e-mail no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas novidades do mundo da tecnologia.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

GIRONATV.COM É PARTICIPANTE DO PROGRAMA AMAZON SERVICES LLC ASSOCIATES, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE AFILIADO PROJETADO PARA FORNECER MEIOS PARA OS SITES GANHAREM TAXAS DE PUBLICIDADE EM E EM CONEXÃO COM AMAZON.COM. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.COM, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZÔNIA, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS PARA COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO, AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DE AMAZON.COM E DE SEUS VENDEDORES.
Giro na TV