NASA chama atenção para seca na América do Sul | Pocalsky

Faz vários meses – mais de um ano – que um dos problemas climáticos aqui em Santa Catarina é a seca / seca. Embora parte do inverno tenha visto uma melhora nos volumes de precipitação, a primavera trouxe o problema novamente, especialmente no Oeste e Centro-Oeste.

Acontece que essa diminuição da precipitação não é só em Santa Catarina. Tanto o sul do Brasil quanto grande parte da América do Sul enfrentam esse problema. É importante destacar que estamos enfrentando chuva, uns meses mais em algumas áreas, e outros em outras, mas os volumes que ocorreram geralmente trouxeram déficits.

Diante disso, a NASA informou nos últimos dias que esse problema já ocorre desde 2018. Segundo ela, esta é a segunda seca mais forte na América do Sul desde 2002. Perdeu apenas uma em 2015/2016 entre o leste do Brasil e a Venezuela. Eles chegaram a essa conclusão levando em consideração a extensão territorial, a duração e o volume de chuva.

Água argilosa

Uma forma de entender os efeitos e a gravidade das secas é a quantidade de água subterrânea próxima à superfície. O mapa acima ilustra bem esse problema. Em vermelho, áreas de pouca água e áreas altas de azul. Vejam a dimensão do problema na América do Sul, onde a NASA informa que nas regiões em tons fortes de vermelho, como no oeste de SC, essa condição só ocorre a cada 50 anos.

A porcentagem de água ao sol outubro de 2020

(Foto: )

Arqueologia

Eles são os mais diversos. Eles variam de um aumento de incêndios florestais, especialmente causados ​​por ações humanas, até a redução da produção de milho e soja. Isso sem falar no transporte de navios em vários rios como o Paraguai, que na região de Assunção atingiu seu nível mais baixo em meio século em outubro.

as razões

Diminuir ou aumentar o volume de chuva em uma área particular depende em grande parte da temperatura do oceano. Cada região faz parte do oceano. Na Amazônia, o aumento da temperatura da água no Atlântico tropical ajudou a reduzir a precipitação. Para nós, no sul da América do Sul, o resfriamento das águas tropicais do Pacífico ajudou a criar o problema.

o que você está esperando

Dado que se espera que o resfriamento do Pacífico equatorial siga – um dos critérios do La Niña – a expectativa de que até o verão de 2021 ainda teremos problemas de precipitação. Em geral, deve ficar abaixo do nível dos próximos meses.

Written By
More from Vera Neves

O Cartão de Visita Brasileiro: Como Funciona e é Confiável? | O negócio

O cartão do Banco Empresarial Brasileiro ganhou popularidade nos últimos meses, mas...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *