Morre o colunista Eduardo Lorenko

Morre o colunista Eduardo Lorenko

Foi um dos principais pensadores e uma das figuras da cultura portuguesa nas últimas décadas. Beira nasceu a 23 de maio de 1923, em Almeida, Alta.

O protagonista e narrador da sua própria história em 2018 intitulada “O Labirinto da Saudade” da autoria de Miguel Gonvalves Mendes. O filme segue os mesmos escritos de Eduardo Lorenko e marca uma viagem pela cabeça do pensador português, formando uma “homenagem à vida” de realizador a colunista.

Hoje saiu de cena, mas Deixando uma marca da “grande realidade” do seu pensamento – De acordo com a página que lhe é dedicada, do Centro Nacional de Cultura – e a imagem do autor permitida “Uma reflexão inteligente sobre a política nacional”, Conforme definido pelo poeta Herberto Helder em carta de 1978.

Apaixonado por literatura, Ele chamou os livros de “crianças” e disse que “estar sem livros é morto”.. De Louis de Camis a Miguel Torga a Fernando Pesova, os seus ensaios são mais poesia do que prosa.

Esquerdista, mas se você olhar esse fluxo de maneira crítica, o colunista não se deixará envergonhar por nenhuma escola de pensamento.

Partiu para a França em 1949 a convite do Reitor da Faculdade de Letras da Universidade de Bordéus com uma bolsa de estágio da Fundação Fulbright.

Ele começou sua carreira acadêmica em 1953, Ministrado em muitas universidades europeias e americanas, Nomeadamente Hamburgo e Heidelberg, Alemanha, Montpellier, Grenoble e Nice, França e Bahia, Brasil, etc.

Ele se casou com Annie Solomon de Dinard em 1954 e mora na França desde 1960. Cinco anos depois, em 1965, fixou residência em Vince, na região dos Alpes Marítimos do sudeste da França, mas sempre manteve contato com seu país natal, refletindo a sociedade portuguesa.

“Será o homem nascido em S. Pedro outra coisa senão o português do Rio Seco?”, O colunista, contou ao Jornal de Letras, Artes e Idéias, em 1986.

O tema da Europa e a posição de Portugal na Europa repetem-se na obra do autor e, em 1978, a sua obra mais famosa, “O Labirinto da Saudade”, foi um ensaio crítico sobre o filme “Duplicamos as nossas próprias palavras”. Quarta-feira às 12h00, em Geronimos, Missa de Manuel Clemente e Tolentino Mendonia.

Aos 95 anos, Eduardo Lorenko concordou em entrevista à Agência Lusa Os aniversários são “difíceis de segurar” porque sei que é o começo do fim ‘, mas não vejo isso como uma “coisa triste”., Porque “todos nós enfrentamos essa necessidade”.

READ  Conheça o iPhone 11, o celular mais procurado após a Black Friday 2020 | Celular

“A tragédia é que não podemos escapar do que nos espera, será uma injustiça para nós e para todas as outras pessoas que já morreram. Não conseguimos suportar quando eles sofreram. O fim deles”, disse ele. “Vai para a morte porque todos aqueles que conhecemos e amamos estão conosco”.

Marcelo Rebello de Souza chora a morte de “amigo” e “sábio”

O presidente republicano Eduardo Lorenko já lamentou sua morte e agradeceu a este “sábio” e “amigo”.

“Eduardo Lorenko, desde o início da segunda metade do século passado, Nosso colunista e crítico mais importante, nosso gênio público mais ilustre”, Lê na nota publicada Local Presidência.

“Há décadas que vivem em França e se estruturam como francófilos, alguns“ estrangeiros ”estão muito embriagados na sua relação com os temas portugueses, a cultura, a identidade e a mitologia portuguesas, com todos os seus bloqueios, mudanças e imposições.”

“Por isso, ele nunca soube dos debates da nossa época, das diferenças políticas. Estamos gratos a Pessoa por algumas das suas leituras mais decisivas, tanto antes como depois., E frequente participação nas questões religiosas, filosóficas e ideológicas contemporâneas, do existencialismo ao Cristianismo e à Revolução ”.

“Vencedor de vários prêmios, incluindo Pessoa e Camis, que se destacou quatro vezes com encomendas nacionais e foi reconhecido no exterior, o Prof. Eduardo Lorenko me homenageou como membro do Conselho de Estado”, escreveu Marcelo Rebello de Souza.

“Eu o dedico aos seus familiares Minhas mais sinceras condolências pela perda deste amigo, desta idade, Esta importante pessoa de Portugal onde vivemos ”.

Em nota a jornalistas esta manhã, Marcelo Rebello de Souza disse que foi uma “coincidência simbólica” que “o grande pensador de Portugal nos deixou no Dia da Independência”.

Antonio Costa confirma o Dia Nacional de Luto

O primeiro-ministro Antonio Costa lamentou a morte do colunista Eduardo Lorenko, amigo e camarada com quem ele aprendeu muito.

“Simplesmente veio ao nosso conhecimento então. Foi um amigo, um camarada, com quem tive a chance de perder, aprendi muito, E isso nos deixa “, disse Costa.

O Primeiro-Ministro sublinhou que este momento é o “convite de Eduardo Lorenko para conhecer o trabalho” e continuar a reflexão deixada pelo colunista. “Definitivamente será a sua vontade”, acrescentou.

Antonio Costa destacou ainda a importância de Eduardo Laurenco na reflexão sobre os “factores atemporais nacionais”, destacando o livro “Labirinto da Saudade”, que é “certamente um dos artigos mais reconhecíveis do ensaio português”.

O chefe de estado confirmou isso Quarta-feira será o Dia Nacional de Luto.

READ  A Apple foi (novamente) acusada de adulterar seus iPhones

“Lamento a morte de Eduardo Lorenko, uma das raras pessoas que alcançaram o poder do respeito unânime e do elogio geral”, escreveu o primeiro-ministro no Twitter.

Vida academica

Mais velho de sete irmãos, filho de soldado militar, frequentou o ensino básico na aldeia onde nasceu, ingressando no Colégio Militar de Lisboa, onde concluiu o curso em 1940.

Ingressou na Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra e posteriormente testemunhou na Faculdade de Letras da mesma instituição, no curso de Ciências Histórico-Filosóficas.

Era “O melhor da filosofia, não porque repete as aulas como um papagaio, mas porque revela um espírito crítico sério e uma ideia já autônoma”., Segundo a descrição, para a revista Prilo, que o tornou o autor e instrutor Mário Braga.

Eduardo Lorenko formou-se em 1946 com uma tese intitulada “O Sentido da Dialética no Idealismo Absoluto”.

No ano seguinte passou a lecionar como assistente e colaborador do Professor Joaquim de Carvalho, e em 1949, Com apenas 26 anos, ele coletou parte de sua tese de graduação no primeiro volume de um ensaio intitulado “Heterodoxia”., “Um dos maiores e mais inquietantes discursos de ensaio de toda a nossa história literária”, descrito pelo professor e colunista Eugenio Lisbo.

Antes disso, em 1944, Eduardo Lorenko começou a colaborar com a revista Vertis, que começou com o poema “Aceitação”, prefácio de “Heterodoxia”.

Com as “Crónicas Heterodoxas”, trabalhou com o Dirio de Coimbra, publicação histórica da cidade onde viveu com o escritor Vergilio Ferreira, onde se associou a um existencialismo particular, influenciado por filósofos como Heidegger, Nietzsche e Hussein. Lendo autores como Kiergeguard e Sartre, e Dostoiévski, Kafka e Camus.

Prêmios, condecorações e distinções

Em 1988, ele era um professor aposentado na Universidade de Nice Charles Whelan recebeu o European Essay Award, Por toda a obra e, um ano depois, assumiu o cargo de Assessor Cultural da Embaixada de Portugal em Roma, onde permaneceu até 1991.

Vários prêmios se seguiram Destaque para o Prêmio Comissário de 1996, E o Prêmio Pesova, em 2011.

É filho de Antonio Sergio (1992), d. Recebeu também prémios de Dinis (1996), Vergilio Ferreira (2001), Universidade de Lisboa (2012), Jacinto do Prado Coelho (em 1986 e 2013) e Vasco Grana Maura (2016). Outras.

Entre as condecorações e variações, Eduardo Lorenco Santiago e Grão-oficial de Espada (1981), Grã-Cruz da Ordem do Infante d. Henrik (1992), Grã-Cruz da Ordem de Santiago e Espada (2003) e Grã-Cruz da Ordem da Liberdade (2014).

READ  A descoberta das aves na Universidade do Porto é capa da revista científica

A França distinguiu-o da Ordem do Mérito Nacional (1996), da Ordem das Artes e das Letras (2000) e da Legião de Honra (2002), e em 2008 recebeu a Medalha do Mérito Cultural do Governo Português e a Ordem do Mérito. Espanha.

Honoris Casa Doutorado pelas Universidades do Rio de Janeiro, Bolonha, Coimbra e Nova de Lisbo, Marcelo Rebello de Souza, atual Presidente da República, tomou posse em 07 de abril de 2016 como Conselheiro de Estado indicado..

Nesse mesmo ano, ganhou o Prêmio Europeu Helena Vaz da Silva de Espalhamento do Patrimônio Cultural, ex-aqua com o cartunista francês Jean Plantorex‌, também conhecido como Planta.

O ministro lamenta a perda de “uma das mentes mais inteligentes” do país

A ministra da Cultura, Grana Fonseca, lamentou a morte da colunista, qualificando-a como “uma das mentes mais inteligentes deste país”.

“Eduardo Lorenko foi um pensador, um homem ágil e de poucas sensibilidades, e um lutador incansável no caos da época”, disse o ministro.

Em nota à redação, o ministro da Cultura, Eduardo Lorenko, foi descrito como “uma das mentes mais inteligentes de Portugal”.

“Através do nosso património literário compreendeu Portugal, pensou a Europa e questionou o mundo, não só como um dos autores centrais da literatura portuguesa com liberdade e realismo, mas também como farol que iluminou séculos de pensamento e cultura”.

Jorge Sampaio lamentou a morte de Eduardo Lorenko, sublinhando que “Portugal perdeu um dos seus cidadãos mais destacados”.

“Um pensador do fundo da existência e da existência, um distinto cultuador das personagens, das artes e da cultura, um grande humanista contemporâneo, para quem os portugueses são europeus e indissociáveis.

“Eduardo Lorenko é uma das maiores referências da cultura portuguesa e sempre será”, diz Jorge Sampayo, filósofo “Ele tem o raro talento de evocar qualquer conversa que traga novas perspectivas, novas informações e conhecimentos, por menores que sejam. Ou fazendo comentários que parecem inúmeros, sempre trazem o avesso ”.

O sociólogo Boveventura de Souza destacou o “impacto extraordinário” de Santos Eduardo Lorenko “ao conceber Portugal a partir do dia 25 de abril e compreender a nossa relação com a Europa”.

(Em atualização)

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

GIRONATV.COM É PARTICIPANTE DO PROGRAMA AMAZON SERVICES LLC ASSOCIATES, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE AFILIADO PROJETADO PARA FORNECER MEIOS PARA OS SITES GANHAREM TAXAS DE PUBLICIDADE EM E EM CONEXÃO COM AMAZON.COM. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.COM, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZÔNIA, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS PARA COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO, AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DE AMAZON.COM E DE SEUS VENDEDORES.
Giro na TV