José Miguel Godis chama Roy Pinto de “ladrão” no tribunal

José Miguel Godis chama Roy Pinto de “ladrão” no tribunal

Jose Miguel Godis. Fotografia de Carlos Georgy Monteiro

Ex-sócio fundador do escritório de advocacia Jose Miguel Godis Hoje é chamado de “ladrão” Roy PintoDenunciada “violência moral e psicológica” de um Criador.Vazamentos de futebolNa 17ª sessão de julgamento.

Disse o ex-presidente da Ordem dos Advogados: “Este homem me visitou, que só posso descrever como um ladrão, que veio, com grande violência moral e psicológica, me roubar”, repetindo: “Não posso, em hipótese alguma, admitir que sou cidadão, mesmo que seja Por razões que parecem nobres, faça o que foi feito para mim. É totalmente inaceitável do ponto de vista ético ou legal. “

Em audição por videoconferência no Tribunal Criminal Central de Lisboa, José Miguel Godis sublinhou que o acesso a documentos pessoais e profissionais, mesmo sem a posterior publicação desta informação pela Internet, assemelha-se a uma “espada” sobre a sua cabeça, considerando-se um ladrão “mais grave” que entrou no computador que Um ladrão entrou na casa ”, devido à impossibilidade de compreensão das informações acessadas.

Por outro lado, o ex-advogado, que exerceu a sua profissão entre 1975 e 2019 e hoje é comentador de televisão, confirmou, “por uma questão de sanidade”, que não foi à procura de informações pessoais que pudessem ter sido reveladas online.

Em resposta a uma pergunta do advogado de defesa de Roy Pinto sobre esta informação, José Miguel Godis começou por revelar que Francisco Teixeira da Mota tinha sido seu advogado recentemente num processo e que também não desejava ver publicamente as conversas que mantivera cobertas pelo segredo profissional.

José Miguel Godis também excluiu qualquer ligação ao mundo do futebol dos seus ficheiros pessoais, partindo do princípio que representou apenas o Benfica “durante muitos anos” durante o mandato de Manuel Villarinho entre 2000 e 2003.

READ  Ativistas de privacidade reclamam da Apple

Quanto ao caso “ Luanda Leaks ” – que revelou em Janeiro de 2020 os alegados esquemas financeiros da empresária Isabel dos Santos e do seu marido, que lhes teria permitido retirar dinheiro do erário público angolano através de paraísos fiscais – a ex-co-fundadora de PLMJ admitiu ter representado No passado “Uma empresa detida, entre outras, por Isabel dos Santos”.

Outras testemunhas ouvidas esta tarde incluem a advogada Ines Pinto da Costa, também do gabinete do Movimento, que se recusou a responder a perguntas sobre o caso “Lagos de Luanda”, também proveniente de Roy Pinto, que se resguarda do sigilo profissional. No entanto, ele foi mais expansivo em suas respostas ao efeito pessoal de ver sua caixa de entrada de e-mail supostamente acessada pelo criador de “Football Leaks”.

“Como profissional, isso é uma violação de todos os princípios e como pessoa é uma violação clara e simples. É um sentimento muito difícil de superar saber que alguém acessou nosso computador e tirou documentos pessoais e de terceiros, embora não haja publicação. Isso não significa que os documentos sejam Não foram cedidos a terceiros e frisou que a partir do momento da deportação perde-se o controlo de quem os chega.

Nono Moraes Sarmiento, também Advogado de PLMJ, destacou através da videoconferência o “sentimento de violência e violação de privacidade” ao ver a sua caixa de correio electrónico alvo de intrusão, e indicou possuir informação que não só está coberta pelo sigilo profissional, mas também pelo segredo de Estado, referindo Ao caso do ex-espião Jorge Silva Carvalho.

“Os emails postados aparentavam ser relativos a um cliente, Jorge Silva Carvalho, que estava no meu computador e no computador do Dr. João Medeiros, não consigo determinar se saíram do meu computador ou do seu dispositivo. Ele indicou que esta informação era , Em parte, salvo segredos de Estado, refuta quaisquer referências nos seus emails ou ficheiros ao campo de futebol ou eventualmente relacionadas com o caso “Lagos de Luanda”.

READ  Netflix está lançando imagens para o novo filme do criador Sharkboy e Lavagirl

O julgamento prossegue na quarta-feira a partir das 14h com audiências dos advogados Miguel Rees, Diogo de Campos e Sandra Lopez, das secretárias Mônica Dias, Fátima Bolhosa, Anna Paula Pago e Isabel Mascarenhas, todas testemunhas e chamadores. À PLMJ.

Rui Pinto, 31, é responsável por um total de 90 crimes: 68 de acesso injustificado, 14 violações de correspondência, seis de acesso ilícito, visando entidades como Sporting, Doyen, escritório de advocacia PLMJ e Federação Portuguesa de Futebol (FPF) E o Ministério Público (PGR), também por sabotagem informática do SAD do Sporting e extorsão, na forma de tentativa. Este último crime dizia respeito a Doyen e foi também o que levou o procurador Aníbal Pinto a proferi-lo.

O criador do Football Leaks está livre desde 7 de agosto, “pela sua colaboração” com a Polícia Judiciária (PJ) e pelo seu “senso crítico”, mas por razões de segurança foi incluído no programa de protecção a testemunhas em local desconhecido e sob protecção policial.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

GIRONATV.COM É PARTICIPANTE DO PROGRAMA AMAZON SERVICES LLC ASSOCIATES, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE AFILIADO PROJETADO PARA FORNECER MEIOS PARA OS SITES GANHAREM TAXAS DE PUBLICIDADE EM E EM CONEXÃO COM AMAZON.COM. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.COM, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZÔNIA, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS PARA COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO, AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DE AMAZON.COM E DE SEUS VENDEDORES.
Giro na TV