Enigma da pandemia: genes que ajudam algumas pessoas a entender por que estão mais doentes do que outras

Enigma da pandemia: genes que ajudam algumas pessoas a entender por que estão mais doentes do que outras

Legenda da foto,

Kovid-19 deixa algumas pessoas gravemente doentes, enquanto outras não apresentam sintomas

Um dos maiores quebra-cabeças da pandemia é entender por que algumas pessoas com coronavírus não apresentam sintomas e outras estão muito doentes.

Um estudo com mais de 2.200 pacientes de terapia intensiva publicado na revista Nature identificou genes específicos.

Eles expõem alguns a sintomas graves de Kovid-19.

A pesquisa lança luz sobre onde o sistema imunológico falhou, o que pode ajudar a identificar novas terapias.

Kenneth Bailey, consultor médico do Royal Hospital em Edimburgo, que liderou um projeto chamado Genomic, disse que os tratamentos são necessários, apesar do desenvolvimento de vacinas.

“Espera-se que as vacinas reduzam significativamente o número de casos, mas os médicos em todo o mundo terão que tratar a doença em terapia intensiva por muitos anos. Portanto, novos tratamentos precisam ser encontrados”.

Células ‘zangadas’

Os cientistas analisaram o DNA de pacientes em mais de 200 unidades de terapia intensiva em hospitais em todo o Reino Unido.

Todos os pacientes têm análises abrangentes de seus genes, incluindo instruções para todos os processos biológicos – incluindo como combater o vírus.

Os genes desses indivíduos foram comparados com o DNA de indivíduos saudáveis ​​na tentativa de distingui-los. Alguns foram encontrados – o primeiro em um gene chamado TYK2.

“É parte de um sistema que torna as células imunológicas mais irritáveis ​​e inflamatórias”, explicou Bailey.

Se o gene estiver incompleto, a resposta imunológica pode chegar à exaustão e fazer com que os pacientes desenvolvam uma inflamação pulmonar grave.

“Acabou sendo a droga candidata mais aceitável para novas terapias”, disse Bailey. “No entanto, precisamos fazer testes clínicos em grande escala para descobrir se isso é confirmado.”

‘Interferon’ curto

Diferenças genéticas também foram encontradas em um gene chamado DPP9, que desempenha um papel na inflamação e ajuda a evitar que o vírus se multiplique em um gene chamado OAS.

Além disso, variantes genéticas chamadas IFNAR2 também foram identificadas em pacientes de terapia intensiva.

O IFNAR2 está ligado a uma poderosa molécula antiviral chamada interferon, que ajuda a ativar o sistema imunológico assim que uma infecção é detectada.

Acredita-se que a pequena produção de interferon dê ao vírus uma vantagem inicial, permitindo que ele se replique rapidamente, levando a condições mais graves.

Dois outros estudos publicados recentemente na revista Ciência O interferon foi associado aos casos de Kovid por uma doença auto-imune que afeta mutações genéticas e sua produção.

O professor Jean-Laurent Casanova, que conduziu a pesquisa na Rockefeller University em Nova York, disse: “[Interferon] Nosso estudo foi responsável por aproximadamente 15% dos casos críticos de Kovid-19 relatados internacionalmente. ”

O interferon é administrado como um tratamento, mas um ensaio clínico da Organização Mundial da Saúde descobriu que ele não ajuda os pacientes doentes. No entanto, o professor Casanova disse que o contexto era importante.

Ele explicou: “Se administrado nos primeiros dois, três ou quatro dias de infecção, espero que o interferon funcione porque, essencialmente, fornece a molécula. [paciente] Não se produz “.

‘Quando as coisas dão errado’

Vanessa Sancho-Shimizu, geneticista do Imperial College London, diz que a pesquisa genética oferece insights sem precedentes sobre a biologia da doença.

“As descobertas desses estudos genéticos podem nos ajudar a identificar caminhos moleculares específicos que visam a intervenção terapêutica”, diz ela.

Mas ainda existem alguns segredos no gene.

Estudos genômicos – e mais – revelaram um grupo de genes no cromossomo 3 que estão fortemente ligados a características graves. No entanto, a biologia por trás disso ainda não é compreendida pelos cientistas.

Mais pacientes são convidados a participar da pesquisa.

“Queremos todos, mas estamos particularmente interessados ​​em recrutá-los nas raças minoritárias que prevalecem na população gravemente doente”, disse Bailey.

Ele disse: “Ainda há necessidade de encontrar novos tratamentos para essa doença e fazer as escolhas certas sobre os próximos tratamentos porque não temos tempo para cometer erros”.

Você já viu nossos novos vídeos Youtube? Inscreva-se no nosso canal!

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

GIRONATV.COM É PARTICIPANTE DO PROGRAMA AMAZON SERVICES LLC ASSOCIATES, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE AFILIADO PROJETADO PARA FORNECER MEIOS PARA OS SITES GANHAREM TAXAS DE PUBLICIDADE EM E EM CONEXÃO COM AMAZON.COM. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.COM, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZÔNIA, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS PARA COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO, AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DE AMAZON.COM E DE SEUS VENDEDORES.
Giro na TV