Como a NASA precisa de Portugal para a missão de busca de novos planetas – The Observer

O lançamento do satélite TEES, a mais nova e mais recente missão de detecção de exoplanetas lançada pela NASA no espaço, foi adiado até quarta-feira para “uma análise mais aprofundada de navegação, orientação e controle”, informou a SpaceX via Twitter. A primeira janela de lançamento do satélite foi indicada na segunda-feira às 23h32 com 80% de conclusão dadas as condições meteorológicas, mas problemas técnicos obrigaram a empresa privada e a agência espacial norte-americana a alterar a data em duas horas. dias. A hora de lançamento não foi anunciada.

Por dois anos, um rastreador de exoplanetas em trânsito – o nome português da missão Transito Exoplaneta A pesquisa Satélites (TESS) – substituirá o telescópio Kepler quase reformado, explorando o universo em busca de planetas orbitando estrelas na vizinhança cósmica do sol. Parte do trabalho está nas mãos de uma equipa de astrofísicos portugueses. Projeto Scouts: Eles programam o satélite para descobrir em quais estrelas se concentrar para encontrar corpos celestes em órbita.

O trabalho dos portugueses assenta num princípio muito arraigado: diga-me quem és, e direi quem és. Quem explica é o astrónomo e investigador Thiago Campante, que coordenou uma equipa de cientistas do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, um dos centros do Instituto de Astrofísica e Ciências Espaciais: “É necessário estudar os exoplanetas. O que fazemos é determinar as propriedades da estrela-mãe e ver se consegue Alojar um ou mais planetas. Ao estudar estas estrelas, podemos assumir algumas das propriedades físicas dos planetas ”, descreve Thiago Campante para o Observer. Tudo isto graças a uma técnica que permite que o interior de uma estrela seja julgado de acordo com o que se passa à sua superfície: a astronomia.

Assim como a Terra treme, as estrelas também tremem devido à atividade sísmica. A ciência chama esses movimentos de oscilações, e eles são como as janelas que essas estrelas oferecem para estudar o que está acontecendo dentro de seus núcleos. “Todas as estrelas oscilam periodicamente e ficam mais ou menos brilhantes, embora as oscilações sejam muito sutis. O sol também oscila em um período de cinco minutos”, explica o astrônomo. O estudo dessas oscilações permite explorar algumas propriedades de uma estrela, como massa, diâmetro, idade ou densidade. Saber esses detalhes é essencial para entender os exoplanetas que o TESS irá pesquisar.

READ  NASA anunciou que a missão Osiris-Rex está em perigo

Esta é uma tarefa secundária. O principal fator é cheirar e encontrar exoplanetas usando um método chamado detecção de tráfego: ou seja, quando um planeta passa entre um satélite e uma estrela orbitando em sua órbita, a luz que ele emite torna-se um pouco menos intensa. Se essa diminuição na luminosidade ocorre com mais ou menos regularidade, então muito provavelmente o corpo celeste ao redor da estrela é de fato um planeta. Mas se não fosse a contribuição portuguesa, a certeza dos factos nunca se concretizaria: “A missão em Portugal é importante porque só a NASA pode tirar conclusões sobre as propriedades absolutas dos planetas. Se dependermos apenas da forma como o tráfego é detectado, as únicas características que podemos conhecer sobre os exoplanetas foram Relatividade: Vamos saber o tamanho, mas só em comparação com a estrela, por exemplo. Assim tudo fica mais certo ”, diz Thiago Campante.

Quatro planetas maiores que Júpiter se movem ao redor da jovem estrela HR 8799. Esta imagem foi criada combinando imagens tiradas ao longo de um período de sete anos. Créditos: Jason Wang / Christian Maroua

Nos próximos dois anos, o satélite TESS irá recolher 27 gigabytes de informação por dia ao farejar entre 200.000 e 250.000 estrelas que a equipa portuguesa do Centro de Astrofísica considerou promissoras. De acordo com a NASA, este é o mesmo dispositivo que envia 6.500 arquivos de música para a Terra a cada duas semanas. “No entanto, a música das estrelas não é tão polida para os ouvidos humanos quanto o último álbum de Taylor Swift. Para se preparar para a descoberta científica, os dados precisam de algumas modificações”, disse a agência espacial dos EUA. O primeiro computador a receber os dados do TESS será um cientista do Centro de Operações de Processamento Científico em Ames, no Vale do Silício, uma infraestrutura usada para esse roaming porque, na última década, recebemos dezenas de milhares de sinais planetários potenciais do Telescópio Espacial Kepler.

READ  As invenções desconhecidas da NASA que existem todos os dias · Revista AERO

Embora todos possam acessar os dados coletados pelo TESS, o primeiro computador a recebê-los não é incomum: é chamado de Plêiades e a NASA garante que é um dos sistemas mais poderosos do mundo porque tem a capacidade de lidar com “uma inundação de 10 bilhões de pixels em três a três” Cinco dias “e a cada duas semanas. Até agora, a expedição portuguesa ensinou a máquina a olhar para o céu: enquanto o telescópio Kepler observa a mesma pequena porção do céu há vários anos, o satélite TESS vai pesquisar 90% de todo o céu. Vazio. Por isso Thiago Campante e a equipe que a coordenou tiveram que ensinar a máquina a focar apenas na sequência principal de estrelas, ou seja, aquelas que se parecem com o sol porque são adultas e convertem hidrogênio em hélio dentro do núcleo porque está nessas estrelas. Que sabemos que provavelmente encontrará planetas em órbita. Mas a função do Centro Astrofísico não morre quando o TESS chega ao Céu: nos próximos dois anos, Portugal será responsável por analisar e interpretar os dados que o satélite envia à Terra depois de ser examinado no Vale do Silício.

Na verdade, em teoria, todos podem explicar. Os dados armazenados pelo satélite serão enviados de volta para a Terra, sujeitos a um pré-processamento que filtra o que é mais ou menos importante e depois distribuído pela comunidade científica. Não vai acontecer pelo menos até dezembro ou janeiro do próximo ano, afirma Tiago Campante: “A partir de segunda-feira e nos próximos nove meses, o foco será colocar o satélite em órbita estável. A TESS tem uma missão planejada. Por dois anos, mas essa vida útil pode ser estendida porque a órbita é tão estável que a máquina pode ficar lá por várias décadas. “

READ  O livro "Gastronomia e Ciência dos Alimentos" contém um capítulo escrito por professores da ESAC

É por isso que o próximo ano traz uma verdadeira virada na exploração espacial de exoplanetas: “Nos últimos 20 anos, o principal impulso das agências espaciais tem sido a descoberta de exoplanetas. Agora sabemos mais de três mil e sabemos que qualquer estrela como o Sol tem um alto potencial para hospedar planetas . Agora o foco será descrever em detalhe esses planetas. A TESS vai selecionar os alvos mais promissores ”, descreve o astrônomo português. Mais tarde, talvez daqui a três ou quatro anos, o Telescópio Espacial James Webb será aquele que pegará os dados coletados pelo TESS para observar os planetas mais promissores e coletar dados sobre as atmosferas desses corpos celestes, talvez para descobrir mais. Planetas potencialmente habitáveis ​​no quintal do planeta Terra.

O satélite será lançado às 23h32 em Lisboa a partir do Complexo de Lançamento 40 da Base Aérea do Cabo Canaveral. Esta base aérea pertence à Agência Espacial dos Estados Unidos, mas a TESS vai ao espaço “nas costas” do foguete SpaceX Falcon 9, talvez porque seja mais barato enviar máquinas em uma espaçonave que possa ir até lá. Então você volta praticamente saudável, com os pés no chão.

De acordo com meteorologistas consultados pela NASA, há 80% de chance de que o clima seja adequado para o lançamento. A única preocupação é o vento. Segundo Tiago Campante, esta foi a primeira janela de oportunidade que a NASA e a SpaceX encontraram para lançar o satélite no espaço: “Ao longo desta semana, haverá outros dias em que as condições meteorológicas voltam a ser favoráveis ​​para o lançamento.”

Written By
More from Vera Neves

NASA Lights: imagens astronômicas da semana (21/11 a 27/11/2020)

Tudo sobre NASA Saiba tudo sobre a NASA Mostre mais Sábado é...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *